Coentro: muito mais que uma especiaria

Coentro: muito mais que uma especiaria

O norte e o nordeste do país não vivem sem ele. Sul e sudeste, entretanto, não o apreciam tanto e é mais difícil encontrá-lo na culinária diária. Tem também o dito popular que sustenta que  não há meio-termo: quem gosta de coentro, ama-o; quem não gosta, detesta-o. Bom, descobriu-se, no entanto, que não é apenas questão de gosto – pode ser por questões genéticas. No estudo realizado por Nicholas Eriksson (2012), o autor sugere que um conjunto de  genes dos receptores olfativos são responsáveis por atribuir um gosto de sabão à algumas pessoas.

 

A verdade é que o coentro (Coriandrum sativum L.) é uma planta milenar e seu cultivo e utilização constam nos textos sânscrito, nos papiros egípcios e na Bíblia, com registros de 3.000 anos atrás. Apesar de referido geralmente como um condimento alimentar, o que nem todos sabem são os poderosos efeitos medicinais que a planta apresenta. A planta verde, in natura, possui as vitaminas A, B1, B2 e C, proteínas, além de outros princípios ativos, segundo Wendlin (2009). Este mesmo autor ainda chama a atenção para as propriedades terapêuticas do coentro: diurética (aumenta ou facilita a excreção da urina), antiinflamatória (combate inflamações), analgésica (combate a dor), antiséptica (previne e combate infecções), cicatrizante, entre outras. No sistema digestório, combate a má-digestão, enjôos, falta de apetite. No sistema nervoso atua contra a ansiedade, e ainda pode influenciar no sistema muscular, combatendo espamos. 

 

E não pára por aí. O coentro também é eficaz no tratamento de asmas e bronquites, tem efeito hipoglicemiante (reduz a concentração de glicose na corrente sanguínea) e contribui na regulagem do nível de lipídeos no sangue. Foi introduzido como erva aromática em hospital especializado em cardiopneumologia também por seus efeitos antioxidantes do sistema cardiovascular por contribuir na forma adjunta da terapêutica em pacientes.

 

Mais do que consumir coentro, a Eco Mutare te estimula a plantá-lo. É facilmente cultivado em vasos. Basta ter um substrato com boa drenagem e bastante matéria orgânica. Produzem flores lindamente delicadas e toda a planta pode ser utilizada na alimentação. Quando você planta, se livra dos agroquímicos que os temperos das estantes do supermercado possuem. Bom apetite!

 

Thais Monero – Bióloga e fundadora da Eco Mutare

 

 

Referências:

ERIKSSON, N. et al. A genetic variant near olfactory receptor genes influences cilantro preference. Mountain View, 2012.

BEGNAMI, Andreza Fabiana. Avaliação do potencial antimicrobiano in vitru de Coriandrum Sativum L. em diferentes espécies de Candida. Piracicaba, 2008.

WENDLIN, Pe. Paulo. Cuidando da vida com as plantas de Deus. Passo Fundo: Gráfica Berthier, 2009.

SAKURAI, F. et al. Caracterização das propriedades funcionais das ervas aromáticas utilizadas em um hospital especializado em cardiopneumologia. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde. Rio de Janeiro, 11(4), p. 1097-1113, 2016.